Crise no INCA é motivo de preocupação por parte do deputado Alexandre Serfiotis

Considerado um hospital de referência especializado na prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, vem passando por uma crise sem precedente. Faltam equipamentos médicos e material de consumo fundamentais para manter a rotina normal das atividades do hospital, e a causa é a ausência de repasses. Além disso, a instituição está hoje com um déficit de pessoal estimado em 600 servidores tornando precário o atendimento aos pacientes. A somatória desses problemas trouxe grave consequência, pois novos atendimentos estão suspensos e a qualidade dos tratamentos em curso está prejudicada. A crise no INCA, inclusive, resultou na saída de seu diretor-geral, Luiz Antonio Santini, que estava há nove anos no cargo.

Diante dessa situação, que é muito preocupante, o deputado Alexandre Serfiotis (PSD-RJ), em conjunto com os membros da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) entraram na luta pela recuperação do INCA. A Comissão vai realizar uma audiência pública para discutir o problema do hospital, para a qual foram chamados o ministro da Saúde, Arthur Chioro; a representante do Núcleo Sindical do INCA, Raquel Carvalho; o diretor do Departamento de Gestão Hospitalar dos Hospitais Federais do Rio de Janeiro (DJH/RJ), José Carlos de Moraes; e o diretor-geral do INCA em exercício, Reinaldo Rondineli.

Para o deputado, é necessária a união de forças para resolver o problema do INCA. “O câncer é uma doença que não pode esperar e o fato de que um hospital deste porte e relevância não tenha o mínimo necessário para desempenhar sua missão é uma vergonha para o sistema de saúde pública”, reclamou Serfiotis, que vai apresentar Requerimento de Criação de uma Comissão Externa, sem ônus para a Câmara dos Deputados, para visita às Instalações das unidades do INCA e avaliar in loco a situação do hospital e dos pacientes. “Nós, parlamentares, temos essa grande responsabilidade que é procurar trabalhar pelo bem de todos os hospitais públicos e filantrópicos de nosso país e, no caso específico, é o INCA, que precisa de nossa ação”, concluiu.