Assistência Social realiza Conferência de Segurança Alimentar e Nutricional

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos está realizando nesta sexta-feira, 26 de junho, até as 17 horas, no auditório do SENAC, o III Fórum Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, que teve como lema “Comida de verdadeno campo e na cidade: por direitos e soberania alimentar”.

A mesa de abertura do evento foi composta pelo secretário da pasta, Alfredo José de Oliveira, pelos secretários de Saúde, Daniel Brito, e de Relações Comunitárias, Ubiratan Oliveira, o Birinha; pelo vereador Olímpio; pela representante do Conselho Estadual de Segurança Alimentar, Olívia Schneider; pela deputada estadual Ana Paula Rechuan; e pelo presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, Luís Rômulo Saloto.

A deputada Ana Paula Rechuan lembrou que há alguns anos o Brasil lutava contra a fome e o problema foi combatido com políticas públicas que reduziram os índices de miséria no país.

– Ainda existem pessoas desnutridas no Brasil, mas o grande problema da atualidade é conseguir introduzir a alimentação saudável e sustentável na mesa do brasileiro. Temos que voltar a nos alimentar como nossos avós. A questão agrária ainda precisa avançar no país e é preciso haver um equilíbrio entre agronegócio e a agricultura familiar e levar esses produtos para a merenda escolar – destacou a deputada.

Ana Paula afirmou que o município de Resende vem avançando na questão da merenda escolar, com o programa Conta na Balança, idealizado por ela, que desenvolve ações de combate à obesidade infantil, combatendo a venda de alimentos industrializados aos estudantes.

Já o secretário de Assistência Social pediu para os conferencistas deliberarem por uma resolução que objetive buscar recursos dos governos estadual e federal para ações de segurança alimentar, que hoje só conta com recursos municipais.

– Por conta da crise econômica tivemos que suspender o programa Sacola Cheia, que oferecia uma cesta de legumes, frutas e verduras a cerca de 100 pessoas. Se tivermos mais recursos poderemos retomar o programa e até ampliá-lo, criando ainda outras ações nesta área – disse.

O secretário de Saúde também ressaltou que enquanto nos tempos antigos a luta era contra a desnutrição, o desafio da atualidade tem sido contra a obesidade causada pela má alimentação, assunto comentado ainda pelo presidente do Conselho,que destacou a dicotomia vivida no país, onde enquanto umas pessoas passam fome, outras sofrem com a obesidade.

Segundo Olívia Schneider, a luta em todo o país tem sido pelo retorno à comida “de verdade” e saudável na mesa, contra a comida industrializada.