Prefeitura busca com o Estado solução para crise no setor automotivo

O Fórum Permanente de Desenvolvimento do Estado da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) reuniu na manhã desta terça-feira, dia 8 de setembro, deputados, representantes do Governo do Estado, de prefeituras e empresários do setor para debater a crise no setor automotivo do sul fluminense.

A iniciativa foi da deputada Ana Paula Rechuan (PMDB), que promoveu a aproximação do cluster automotivo da região com o Legislativo estadual. O evento teve a presença do prefeito de Resende, José Rechuan, do presidente da Casa, Jorge Picciani, e do governador Luiz Fernando Pezão.

Segundo Rechuan, foram apresentadas várias propostas para a retomada do crescimento do setor automobilístico, como a disponibilidade de crédito pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) e medidas de incentivo para que grandes frotistas do estado possam adquirir os veículos produzidos pelo cluster, como empresas de ônibus, transportadoras e taxistas.

– Num momento de crise da indústria nacional em que o setor mais afetado foi o automobilístico, a iniciativa da deputada foi de grande importância para o Sul Fluminense e para todo o estado. O objetivo é adotar medidas a curto prazo para manter os empregos no setor. O desemprego na região afeta o comércio local e os serviços da rede pública – avaliou Rechuan.

Já a deputada Ana Paula Rechuan (PMDB) destacou que o evento na Alerj foi bastante representativo, com a presença de empresários, membros do BNDES, da Caixa Econômica Federal e da FETRANSPOR (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro), entre representantes do poder público e de outras entidades.

– O Fórum resultou em muitas ideias, como a implantação do bilhete único na região, disponibilidade de crédito junto à Caixa Econômica e ao BNDES de forma desburocratizada para fomentar o mercado, principalmente de caminhões, que no primeiro semestre deste ano sofreu queda de 40% nas vendas, e a redução do IPVA para que esses frotistas possam adquirir os veículos dentro do próprio estado – defendeu a deputada estadual.

A região, que abriga o segundo maior polo automotivo do país – mais de 20 empresas, entre montadoras e fornecedores -, perdeu três mil postos de trabalho nos últimos dois anos. Dos 12 mil empregos locais, apenas 70% estão ativos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *