Emenda de Alexandre Serfiotis garantirá recursos para Laboratório de Geodésia da Universidade Federal Rural no campus de Seropédica

Nesta segunda-feira (12/6) o deputado federal Alexandre Serfiotis visitou as obras do laboratório de Geodésia no campus da UFRRJ em Seropédica, acompanhado do reitor, professor Ricardo Berbara; da chefe do Departamento de Engenharia, professora Rosane Maciel, e do Diretor do Instituto de Tecnologia, professor Gílson Sant’Anna. Ele participou também de reunião com a equipe de professores da instituição para dar conhecimento sobre  o processo de liberação dos recursos originados de emenda individual por ele apresentada ao projeto do Orçamento da União para 2016, com o objetivo de destinar recursos para construção e equipamento do laboratório. O professor Gílson Cândido Sant’Anna,  diretor do Instituto de Tecnologia, informou que o laboratório terá cerca de 250 m² de área, incluindo sala para técnicos; processamento de dados; pesquisas; plotagem de plantas e cadastros; aferição e guarda de equipamentos; recepção, além de copa e banheiros. 

O deputado lembrou ao participantes da reunião que o prédio terá instalações elétricas, hidro sanitárias, de telefonia e acesso à rede mundial de computadores, e seguirá o padrão das normas de acessibilidade. O projeto inclui ainda o paisagismo da área e delimitação de marcas de estacionamento de veículos e acesso de pedestres. “Sem dúvida é uma conquista, um ganho para a pesquisa acadêmica de todo o estado do Rio de Janeiro”, disse. Serfiotis informou ainda que o Governo Federal chegou a contingenciar recursos das emendas parlamentares de 2016, o que resultaria numa diminuição no valor a ser liberado de R$ 600 mil para R$ 400 mil, mas felizmente houve o descontigenciamento, e o total da verba foi mantido. Desta forma, a Universidade não necessitará buscar complemento de recursos e os ambientes do laboratório serão também mobiliados e equipados adequadamente.

A chefe do Departamento de Engenharia, professora Rosane Maciel, destacou que são mais de mil alunos vinculados ao Departamento, o qual possui atualmente mais de 15 turmas de graduação em diferentes cursos de engenharia e que possuem em sua grade curricular disciplinas relacionadas à Geodésia e/ou Cadastro Técnico. “Eles serão os maiores beneficiados, pois vínhamos enfrentando dificuldades nas aulas práticas por falta desta infraestrutura. Também serão beneficiados os estudantes de pós-graduação e demais membros da comunidade universitária que trabalham em atividades de pesquisa e extensão”, afirmou a professora. 

Alexandre Serfiotis disse no encontro com a comunidade universitária que se fazia mais do que necessário efetivar a construção do laboratório, fundamental na formação integral, principalmente dos estudantes de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica.

O reitor da UFRRJ, professor Ricardo Berbara,  declarou que os profissionais formados pela Instituição terão papel fundamental em setores como, por exemplo, elaboração das cartas topográficas geradas pelo IBGE; a geração de modelos tridimensionais de terrenos, etc.  “É uma área altamente tecnológica, que necessita de constante estudo e aperfeiçoamento. Já o Cadastro Técnico é importante não só para os engenheiros, como também para os administradores públicos. É comum vermos o desconhecimento do número de moradias num assentamento ou em loteamentos irregulares. A ausência de cadastros e mapeamentos confiáveis e atualizados constitui-se num obstáculo a uma política fiscal e planejamento urbano adequados. Neste contexto o Laboratório de Geodésia e Cadastro Técnico permitirá não apenas a formação de estudantes, mas também contribuir para a redução do quadro atual de desinformação territorial dos municípios do Rio de Janeiro”, concluiu

Deixe um comentário