Bloqueio vacinal contra a febre amarela imuniza mais de 600 moradores e viajantes na divisa de Barra Mansa com Valença

Mais de 600 moradores e viajantes que passaram pelo o Distrito de Nossa Senhora do Amparo, em Barra Mansa, divisa com Valença, foram imunizados nesta segunda-feira, dia 15, no primeiro dia da ação de bloqueio vacinal promovida pela prefeitura de Barra Mansa, numa operação conjunta das Secretarias de Saúde, Desenvolvimento Rural, Meio Ambiente e a Guarda Municipal. Além de Amparo, na zona rural, moradores da área urbana de Barra Mansa também estiveram nas mais 48 unidades de saúde que estão disponibilizando a vacina contra a Febre Amarela.

O prefeito Rodrigo Drable e o secretário de Saúde estiveram pessoalmente no início da manhã para acompanhar a operação. A ação foi concentrada na localidade, por fazer divisa com o município de Valença onde há a confirmação de uma morte provocada pela doença e outros três casos suspeitos.

A medida tem como principal objetivo impedir que a febre amarela silvestre entre na zona urbana. Para isto, foi instalada uma base de bloqueio no início da RJ 153 – Rodovia Gecy Vieira Gonçalves, estrada que liga Amparo a Valença.

A ação atingiu ainda fazendas e sítios de várias localidades de Amparo. Cinco equipes divididas em cinco carros com profissionais de saúde percorreram os locais mais afastados de Amparo para vacinar moradores que vivem em áreas consideradas isoladas.

Durante toda a semana, agentes da Guarda Municipal estarão orientando os motoristas que passam pela via sobre a febre amarela. João Teodoro de Paiva, 64 anos, foi um dos abordados nesta manhã. “Apesar de necessitar do atestado médico para ser vacinado, as informações que obtive aqui, vou levar para os meus filhos, netos e familiares. Este tipo de ação é de extrema importância para conscientizar a população sobre os riscos da doença”, destacou.

Na mesma situação, o sitiante João Batista Ferreira, de 62 anos, também comentou sobre a iniciativa. “Moro em Volta Redonda, mas tenho sítio aqui. Esta região, por ser de Mata Atlântica, tem inúmeros macacos. Daí a importância da prevenção. Vou buscar o atendimento médico para receber a dose da vacina”, disse.

Já Luiz Paulo Pereira, de 53 anos, recebeu a vacina. “Nossa região é considerada de risco, por isto vim até aqui em busca da vacina e vou ajudar a transmitir as informações necessárias para evitar a doença”.

Além dos distritos, a vacinação está sendo realizada em todas as unidades de saúde do município, entre 7 e 17 horas. Nas Sirenes da Boa Sorte, Vila Nova e 9 de Abril, o serviço acontece até às 20 horas. Para atender quem trabalha durante o dia a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) fará a vacinação de 17 horas até a meia noite.

Meta é vacinar 120 mil pessoas com dose única, garante secretário

A meta do município, segundo o secretário de Saúde, Sérgio Gomes, é imunizar 120 mil pessoas. Deste total, cerca de 1,3 mil são moradores de Nossa Senhora do Amparo. “A vacina é dose única e destinada a população entre nove meses e 59 anos. Pessoas com idade a partir dos 60 anos devem buscar orientação médica e um atestado de saúde para receber a dose da vacina. Já quem for viajar para áreas consideradas endêmicas deve se vacinar com pelo menos 10 dias de antecedência”, detalhou o secretário.

Sérgio Gomes afirmou que a febre amarela mata e a principal defesa para o ser humano é a vacina. “A população precisa procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa para ser vacinada. O uso de repelente é um paliativo criado apenas para aquelas pessoas que não podem em hipótese alguma receber a dose do medicamento, ou seja, gestantes, mulheres que estão amamentando bebês menores de seis meses de idade, pessoas com alergia a ovo, pacientes portadores do vírus HIV e outras doenças imunológicas e pessoas com imunossupressão secundária (baixa imunidade) e em tratamento de quimioterapia e radioterapia”.

A coordenadora do Setor de Imunização da Secretaria de Saúde, Marlene Fialho, disse que o município não tem nenhum caso de febre amarela registrado. “Queremos manter este quadro. Por isto, estamos intensificando a vacinação. É momento de alerta. A população precisa entender que a febre amarela é uma doença séria e mata e que o cenário no município e no estado do Rio pode mudar. Além de Valença, temos um caso registrado em Teresópolis”, alerta.

A vereadora Maria Lucia da Fonseca, moradora de Amparo, acompanhou toda a operação. “A vacinação no município é de extrema importância, especificamente aqui no distrito por fazer divisa com Santa Isabel e ser acesso para cidades mineiras. O meu mandato está junto em mais este trabalho de informar a população”.

 

FEBRE AMARELA

A febre amarela silvestre é transmitida pelos mosquitos das espécies Haemagogus e Sabethes, que estão presentes nas matas e beiras dos rios. A doença é classificada, segundo seus sintomas:

Febre amarela aguda – ocorre logo no início da infecção. Os principais sintomas são febre, dores, tontura, náuseas e vômitos. Trata-se do estágio inicial da doença, que dura poucos dias.

Febre amarela tóxica – Depois de ter passado pela febre amarela aguda, uma pequena porcentagem das pessoas infectadas desenvolvem a febre amarela tóxica, tipo que põe a vida do paciente em risco. Essa fase dá o nome a doença, pois é caracterizada pela coloração amarela da pele, falência renal e sangramentos.

A febre amarela silvestre é causada por um vírus da família Flavivírus, pertencentes à espécie Haemagogus janthinomys e o Haemamogus leucocelaenus. O período de incubação do vírus é de três a sete dias após a picada.

A transmissão se dá pela picada do mosquito fêmea infectado. O vírus pode infectar seres humanos e alguns primatas (macacos), além de várias espécies de mosquitos. A transmissão ocorre vida macaco-mosquito-pessoa ou pessoa-mosquito-macaco. Quando um mosquito pica o ser humano, o vírus entra na corrente sanguínea e circula e se estabelece nas glândulas salivares.