Barra Mansa inicia vacinação contra brucelose

A prefeitura de Barra Mansa, através da Secretaria de Desenvolvimento Rural, iniciou a primeira etapa da campanha de vacinação contra a brucelose. A vacina é obrigatória e destinada a bezerras com idade entre três e oito meses. A equipe da secretaria tem visitado as áreas rurais, produtores e fazendas nos cinco distritos (Amparo, Rialto, Santa Rita de Cássia, Antônio Rocha e Floriano) disponibilizando gratuitamente a vacina. Nessa primeira etapa, a meta é visitar cerca de 150 propriedades rurais e imunizar mais de 800 fêmeas dessa faixa etária.

A brucelose é uma doença zoonose, ou seja, que passa do animal para o ser humano e é causada por uma bactéria (Brucella abortus) que ataca principalmente bovinos e bubalinos. O humano pode adquirir a doença através do contato com animais infectados, assim como a partir da ingestão de carne mal passada, leite contaminado e seus derivados. No humano, a brucelose pode causar infertilidade, artrite e outras complicações que podem levar à morte.

Nesta quarta-feira, dia 28, a equipe esteve na Fazenda Bonsucesso no distrito de Nossa Senhora do Amparo. A propriedade possui mais de 550 cabeças de gado de corte. Segundo o responsável pela produção, José do Carmo, a parceria da Secretaria de Desenvolvimento Rural com os produtores colabora na qualidade da produção de carne. “É uma parceria muito boa porque eles disponibilizam um veterinário para vacinar de graça gerando economia para os produtores. Além de prevenir contra doenças e proteger o rebanho que é nossa principal fonte de renda”. Na localidade foram vacinadas cerca de 60 bezerras.

O médico veterinário da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Rômulo Guimarães da Fonseca, destacou a importância da vacinação contra a brucelose que entre os seus benefícios também dá direito a obtenção do GTA (Guia de Trânsito Animal). “O GTA é o documento oficial para transporte de animal no Brasil e ele só é fornecido ao produtor que tem o seu rebanho com todas as vacinações em dia. Nele contém as informações sobre o destino e condições sanitárias, bem como a finalidade do transporte animal”.

A falta de vacinação do rebanho pode afetar a economia do produtor em relação a comercialização da carne e leite animal. “O produtor que não vacinar seu rebanho pode ter prejuízos sérios, pois perde o poder de comercialização. Não pode vender o leite, a carne e nem o animal”, explicou Rômulo que informou que outra vacina ofertada pela prefeitura é contra a Febre Aftosa.

A primeira etapa da campanha está sendo realizada de segunda a sexta-feira até o final de abril. A segunda etapa será realizada nos meses de setembro e outubro. Os produtores que não estiverem cadastrados e quiserem receber a visita técnica, devem entrar em contato com a Secretaria de Desenvolvimento Rural, que funciona no Parque da Cidade, através do telefone (24) 2106-3547.

TORNEIO LEITEIRO – As vacinações fazem parte da preparação para os torneios leiteiros realizados nos distritos. O primeiro desse ano acontece em Antonio Rocha de 6 a 10 de junho. Em julho é a vez de Rialto e em setembro o distrito de Amparo recebe a competição. “O torneio leiteiro é a chance de o produtor mostrar seu trabalho e a vacinação é o método obrigatório e essencial para uma produção de qualidade, e a prova de que o que foi produzido segue as normas e legislações”, afirmou o médico veterinário Rômulo.